• Performance sustentável

    ADICIONADA A 15 DE NOVEMBRO DE 2013

    Performance sustentável: O novo paradigma para o sucesso das organizações

    A melhoria da performance e da produtividade das organizações é muitas vezes equiparada a uma espécie de exercício maquiavélico de criação de condições para a maximização do lucro imediato, sem olhar a meios para “extrair rentabilidade” das pessoas a todo o custo: colocando-as a trabalhar mais horas, a ganhar menos, poupando em todo o tipo de custos, mesmo aqueles que se traduzem num aumento de bem-estar de clientes e colaboradores que interagem ou integram uma determinada organização.

    Neste sentido, a maximização do retorno do investimento realizado para o acionista, quando de uma organização privada com fins lucrativos se trata, ou de cega redução de despesas, quando de um organismo público se trata – reduzindo assim o custo e, consequentemente, o défice crónico de que as contas públicas padecem – são práticas que beneficiam essencialmente um único stakeholder da organização – o acionista ou o estado, por exemplo – prejudicando claramente outros stakeholders – como por exemplo os clientes ou os utentes utilizadores, por exemplo, tanto no caso da empresa privada como do organismo publico.

    Assim, se considerarmos o equilíbrio entre o valor gerado para os diferentes stakeholders da organização – ou seja, o valor razoavelmente semelhante que essa organização entrega aos seus acionistas, gestores, clientes, colaboradores, governo e/ou sociedade em geral – e o grau de sucesso futuro da organização – ou seja, a sua sustentabilidade – compreendemos a importância do planeamento estratégico, a gestão por objectivos e a avaliação de desempenho da organização, e dos seus diferentes colaboradores, ter em consideração esta noção de que a performance de uma organização não pode resumir-se à sua capacidade de ser bem sucedida aqui e agora, no curto prazo, mas deve sim reflectir a capacidade das pessoas que constituem a organização serem capazes de ter um bom desempenho que permita “entregar valor” a todos os diferentes stakeholders da organização, no médio e longo prazo.

    A criação de uma organização capaz de gerar valor aos seus diferentes stakeholders tem necessariamente que começar por um exercício de planeamento estratégico, no qual essa organização define um conjunto de “entregáveis” que deve ser capaz de desenvolver.

    Uma boa forma de assegurar que a organização melhora o seu desempenho de uma forma sustentada consiste justamente na realização de um Plano Estratégico cujos objectivos se desdobrem pelos diferentes stakeholders de forma equilibrada/balanceada.

    O sucesso de uma organização vai ser cada ver mais caracterizado pelo facto desta planear a forma como pode proporcionar satisfação aos seus clientes, aos seus colaboradores, aos seus acionistas, aos seus gestores ou à sociedade em geral, por exemplo.

    É essa performance sustentável que vai permitir que a organização vença hoje, amanhã e num futuro mais longínquo, pelo simples facto de que os objectivos dos seus colaboradores, as suas actividades-chave e as suas competências estão orientados, numa perspectiva de médio e longo prazo, para a satisfação equilibrada das necessidades dos seus diversos stakeholders.

    Artur Nunes

 

Topo

Bridging the Performance Gap